quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Introspeções Umbandistas - Parte I - Meu lugar

Depois de meses sem escrever, impulsionado por um nó na garganta que vem de anos e tensionado nos últimos meses, resolvi, respeitando minhas limitações, escrever uma serie de textos explorando o auto conhecimento na Umbanda.



Essa série estou batizando de Introspeções Umbandistas. Vamos começar entendendo o que seria fazer uma introspecção, portanto devemos saber seu significado.


Uma definição retirado do oraculo [isso foi uma piada] Google é:

Reflexão que a pessoa faz sobre o que ocorre no seu íntimo, sobre suas experiências etc.Observação e descrição do conteúdo (pensamentos, sentimentos) da própria mente.
O Dicionário Online de Português define como :
Análise íntima e reflexiva que alguém faz sobre si mesmo.Exame profundo sobre as próprias experiências ou sobre o que ocorre de mais íntimo em si próprio; introversão.[Psicologia] Análise observativa e descritiva sobre os conteúdos da própria mente.

A definição da Wikipédia diz:

Introspecção é o ato pelo qual o sujeito observa os conteúdos de seus próprios estados mentais, tomando consciência deles. Dentre os possíveis conteúdos mentais passíveis de introspecção, destacam-se as crenças, as imagens mentais, memórias (sejam visuais, auditivas, olfativas, sonoras, tácteis), as intenções, as emoções e o conteúdo do pensamento em geral (conceitos, raciocínios, associações de ideias).
Partindo dessas definições, vamos tentar resgatar em nossa memorias o quanto aprendemos nessa jornada, lembrando que alegria e tristeza são parte do aprendizado. Tentaremos apontar pontos onde devemos melhorar e crenças que devemos abolir caso realmente quisermos evoluir e crescer.

Esse primeiro texto, chamei de Meu lugar, pois assim como eu, muitos de vocês já devem ter se questionado sobre seus lugares no Mundo, na Família, Na Escola, na Religião, etc... Bom, se você ainda não pensou sobre assunto, deveria pensar! 


Você não pode deitar e levantar todos os dias simplesmente no automático,seguindo o fluxo que o mundo e as convenções te impõem. Assim como uma pessoa controla seus hábitos alimentares para manter o corpo saudável, você deve controlar seus hábitos mentais e ações para realmente ter uma vida plena e feliz, sendo você o comandante dela.


Bom vamos começar...


Escutei nos últimos dias uma preleção, onde consegui retirar uma pequena parte, que diria, realmente aproveitável (Ultimamente, em todo canto que se vê, Youtube, Facebook,Terreiros,Plataformas de estudo, etc..., só vemos preleções, palestras e aulas rasas, sem nenhuma profundidade. Sempre o mesmo blábláblá), voltando, a preleção citou a diferença entre amor x paixão e teimosia x perseverança.


O palestrante mostrava que quando você esta apaixonado por algo, você na realidade está cego, diferente do amor. Geralmente quando alguém se apaixona pela Umbanda, ocorre um processo natural que a psicologia chama de projeção, ou seja, o apaixonado projeta na religião aquilo que faz parte dele, ele enxerga na religião os aspectos pessoais projetados e não a totalidade do que ocorre nos bastidores.



Sim, assim como em um relacionamento, a paixão é necessária para que exista uma aproximação, entre a pessoa e a religião, porem quando estamos apaixonados os “defeitos” não aparecem, tudo parece ser lindo e maravilhoso, logo a cegueira que vemos aos milhares nos terreiros de Umbanda.
Conforme o tempo passa tudo aquilo que não vimos, começa a vir à tona. É quando o apaixonado começa a retirar sua projeção (suas idealizações) e começa a ver como realmente é a Umbanda e seus colaboradores, logo a oportunidade de vivenciar o amor pela religião. 
Durante 16 anos, vi muito mais apaixonados do que amantes da Umbanda. A maioria dos amantes que vi e conheci, são amantes derrotados, com medo de desagradar os apaixonados e perder os números preciosos de "fieis". 
Onde é Meu lugar?
Refletindo nessa caminhada, penso que fui apaixonado pela Umbanda em meus primeiro 4/5 anos, dos 5/7 fui gradativamente amando a Umbanda, com esse posicionamento, agora entra a segunda parte da preleção que é bem interessante, a parte que fala sobre teimosia x perseverança. Sou um "filho" de Ogum, logo um de meus aspectos negativos é a teimosia! Sim, tudo tem sua polaridade, o melhor dos santos tem seu lado negro, não seja hipócrita, assuma isso e aprenda a controlar, você será bem mais feliz!

Veja:


                                                                                "Ninguém se torna iluminado por imaginar figuras de luz, mas sim por tornar consciente a escuridão."-- Carl Jung

Voltando a teimosia é uma aspecto natural de minha consciência, logo dia a dia tenho que aprender a controlá-la. Posso dizer que nos últimos 10 anos tenho controlado bem esse aspecto e tentado trabalhar a perseverança. Considero estar obtendo sucesso, pois com a quantidade de baboseira e inutilidade que vejo no meio Umbandista, só amando e perseverando para continuar envolvido com a religião de forma direta.

Ultimamente mantenho minha mente focada em perseverar na continuidade do "trabalho" dentro da Umbanda, confesso que ando bem cansado. 

 "Onde há obrigação, a caridade desaparece"
                                                                                  Pai Benedito da Calunga Grande -1989

Essa frase fica na parte central do terreiro do qual faço parte, toda vez que entro no terreiro eu transformo ela em uma pergunta: 

- Estou aqui por obrigação?

O dia que a resposta for sim, saberei que é hora de abandonar o barco!

Aqui fica a primeira reflexão, estou na Umbanda por amor ou paixão, por teimosia ou perseverança, estou por obrigação?

Próximo texto vamos refletir sobre envolvimento x comprometimento