sábado, 2 de maio de 2009

Saravá irmãos de fé!

Tento começar hoje uma pequeno projeto de divulgação de meu entedimento sobre a umbanda, afim de desenvolver novas ideiais e adiquirir novos conhecimentos. Espero trazer parceiros com textos que vão enriquecer nosso conhecimento. Primeiramente sejam todos bem-vindos, umbandistas e não umbandistas. A todos coloco a seguinte regra, estou aqui para agregar conhecimento a fim de enriquecer meu conhecimento e aos interessados. Por tanto não perderei tempo debatendo com coisas que não vão chegar a lugar nenhum, como exemplo se umbanda é ou não é religião de Deus(rsss.) Quem não gosta do tema por favor abandone o blog nesse instante e me poupe trabalho de deletar comentarios que irão gerar discuções. Tenho o seguinte pensamento. Todo ser evoluido tem condições de mesmo não aderindo as ideias de outro ser, respeitalas e quando for de interesse tentar entende-las.


Vamos lá


Zélio Fernandino de Moraes


Na Umbanda, existem diversas ramificações onde podemos encontrar influências indígenas, Africanas, esotéricas e a Umbanda popular,onde encontrar o sincretismo¹ é muito comum.


Não existe uma fonte única que reflita a origem da Umbanda². Cada vertente tem as suas origens e história. Mas na década de 1970, aceitou-se que Zélio Fernandino de Moraes³ teria sido o anunciador da Umbanda através do Caboclo das Sete Encruzilhadas em determinados moldes, fazendo com que ela pudesse ser institucionalizada como religião. Porém, o trabalho dos guias (pretos velhos, caboclos, crianças, exus, etc.) é bem anterior a Zélio.

Mantém-se na Umbanda o sincretismo religioso com o catolicismo e os seus santos, assim como no antigo Candomblé dos escravos, por uma questão de tradição, pois antigamente fazia-se necessário como uma forma de tornar aceito o culto afro-brasileiro sem que fosse visto como algo estranho e desconhecido, e, portanto, perseguido e combatido.

A Umbanda crê em um Deus unico que emana energias conhecidas como Orixás, que são energias ou forças da natureza que estão presentes em todos os lugares, influenciando as pessoas e irradiando energias que mantém o equilíbrio natural dos elementos em relação ao universo.

Ao contrario de que muitos pensam a Umbanda não é codificada,ou seja, não exite livro ou pessoa que imponha regra a religião. Porem é de consenso que na umbanda não se cobra, não se utiliza sangue e não faz o mal em meu pensamento particular traduzo esse não fazer o mal em não ferir o Livre-arbítrio de ninguém.

Vou ficando por aqui até uma proxima oportunidade.

Axé a todos!
Michel Borges



¹ Associação de Santos Católicos aos Orixás Africanos.
² 15 de novembro de 1908, data comemorativa da religião umbanda e do advento do caboclco das 7 encruzilhadas.

³ Zélio Fernandino de Moraes dedicou 66 anos de sua vida à Umbanda, tendo retornado ao plano espiritual em 03 de outubro de 1975, com a certeza de missão cumprida. Embora não seguindo a carreira militar para a qual se preparava, pois sua missão mediúnica não o permitiu, Zélio Fernandino de Moraes nunca fez da religião sua profissão. Trabalhava para o sustento de sua família e diversas vezes contribuiu financeiramente para manter os templos que o Caboclo das Sete Encruzilhadas fundou, além das pessoas que se hospedavam em sua casa para os tratamentos espirituais, que segundo o que dizem parecia um albergue. Nunca aceitara ajuda monetária de ninguém era ordem do seu guia chefe, apesar de inúmeras vezes isto ser oferecido a ele.