domingo, 7 de junho de 2009

SETE LINHAS DA UMBANDA

Olá irmãos visitantes, recebam nosso fraterno saravá!!
Não estamos muito habituados com a "net", por isso pedimos desculpas por falhas possíveis, ok?

Bem, vamos transmitir nossa singela opinião a respeito das famosas sete linhas de Umbanda.
Desde sua oficialização como religião em 1908, prega-se a divisão da Umbanda em sete linhas, mas o que são estas linhas? Seriam 7 Orixás? Sete raios? Outra pergunta, por que 7 e não 9 ou 16?
Entendemos que seria muita pretensão nossa, encarnados em um mundo onde ainda nos preocupamos mais com a matéria do que com o espírito, querer determinar em quantas energias ou níveis enegéticos divide-se o universo. Podemos, no máximo, falar de nosso planeta e ainda assim sem muita certeza. Portanto vamos a nossa explicação sobre as tais 7 linhas.
Aprendemos que tudo que existe é energia mais ou menos condensada e esta energia tem a mesma fonte que é o Criador incriado, a causa primária de todas as coisas, Deus. Esta energia manifesta-se por diversos meios, mas sempre provocando luz, movimento, som e cores.
Nosso campo de percepção luminosa e sonora é muito pequeno; identificamos fisicamente somente 7 cores e 7 tons sonoros. Por isso resolvemos admitir que vivemos em um universo setenário. Porém, devemos nos lembrar que existem sons e cores não percebidos por nós, encarnados.
Entendemos que as 7 linhas de Umbanda foram assim determidas pelo astral porque quando a Umbanda foi planejada no plano espiritual, foram escolhidos os níveis energéticos que dariam sustentação aos seus trabalhos, não porque o universo é dividido somente em 7 energias, entenderam?
Vejam que deram nomes de Orixás para as 7 linhas, mas em cada terreiro temos orixás diferentes para elas, quem está certo?
Sabemos que a energia nos chega como luz branca, completa, pura, sem estar polarizada em positivo e negativo, neutra. Para que possamos receber esta energia, quando encarnados, ela foi dividida, assim nós recebemos apenas parte dela de cada vez (claro que esta é uma explicação didatica, a coisa é um pouco mais complicada).
A direção suprema do planeta, determinou que a cada reencarnação nós ficariamos sob a guarda de determinados Orixás, estes seriam os responsáveis por dosarem esta energia em nossas vidas.
A Umbanda utiliza-se de apenas 7 níveis desta divisão energética, porque assim foi determinado quando a espiritualidade a programou (não porque só existem 7 Orixás).
Para que não houvesse problemas de identificação, as energias ligadas aos trabalhos umbandistas são as mesmas ligadas aos signos do zodiaco. Assim, ao identificarmos nosso signo, sabemos qual dos 7 planetas nos influencia e daí chegamos a característica principal que precisamos trabalhar na atual reencarnação, entenderam?
Independente dos nomes que deram para as 7 linhas, elas nos influenciarão sempre, mas uma delas nos banhará com mais intensidade.
Quanto aos Orixás, ficamos assim:
Nossos irmãos da Africa nos legaram um conhecimento básico de 16 Orixás; dentro destes 16 cada casa trabalha com aqueles que sua direção espiritual determinou, de acordo com os trabalhos a serem levados a efeito naquele ambiente. Em nosso terreiro, por exemplo, nós trabalhamos com 12 Orixás, Oxalá, Ogum, Oxossi, Xango, Obaluae, Yemanjá, Yansã, Nanã, Ossanhe, Oxum, Oxumare e Ibeji. Destes apenas 9 dão paternidade, mas isso já entra muito em nossos estudos esotéricos (ocultos).
Portanto se existem casas de Umbanda trabalhando com Ewá, Obá, Logunedé e Loko é porque assim foi determinado pelo Alto.

Peço que comentem o assunto, é muito bom para nosso crescimento.

Muita paz a todos e saravá fraterno,

Pai Roberto Mundstein